quarta-feira, 20 de maio de 2009

Matéria com Franklin Paolillo

Ontem encontrei com uma parte da história do rock'n'roll no Brasil. Entrevistei Franklin Paolillo, o batera que trabalhou o som do Made in Brazil, gravou Fruto Proibido, primeiro disco solo de Rita Lee com a banda Tutti-Frutti, tocou no Joelho de Porco e gravou vários discos de Marcelo Nova, incluindo o histórico Panela do Diabo, último registro em estúdio de Raul Seixas.

Humildade e musicalidade são os adjetivos que descrevem Franklin. Seu bom humor e vontade de tocar bateria são impressionantes. Como ele mesmo diz: "Adoro tocar bateria. É tudo que sei fazer na vida".

Em breve, no www.OBaterista.com. Aqui todos os bateristas falam de verdade.

4 comentários:

Anônimo disse...

GRANDE BATERISTA,,infelizmente pouco reconhecido por cá....merecida matéria,aguardamos !

André Benedecti disse...

Gosto muito da "pegada" do Franklin Paolillo. Os bateras brasileiros que estão começando a tocar rock'n'roll deveriam escutá-lo mais! No disco Fruto Proibido ele arrasa!
Gostaria que ele comentasse na matéria sobre equipamentos e afinação das bateras daquela época. Sou louco pra tirar aquele som!!!

Site está de parabéns!

Anônimo disse...

Galera eu ``dividi`` a batera com o Franklin no Made ano passado(2008)Na verdade toquei 3 ou 4 músicas e o Franklin as outras...Sou batera do Pedra Lascada de BH.Minha vida de baterista mudou depois disso....Eu já era fã No 1...depois disso....sou número zero!!!!!rsrsrsrs..Frankliné o mestre da batera no Brasil!!!!Meu pai que é batera sempre disse isso pra mim!!!!Abração Franklin,depois batemos mais grandes papos!!!!!!

Alex RJ disse...

Um dos mais subestimados musicos do Brasil, Franklin é sem duvida um dos maiores bateristas do mundo.

Sua gravação de "Agora Só Falta Você", em 'Fruto Proibido' da Rita, devia ser escutada de joelhos por todo baterista e estudante de bateria do Brasil , é uma aula de ritmo e é da pleura!

Alguns anos atrás, Andy Mills, produtor do Alice Cooper nos 70 e o produtor de 'Fruto Proibido', disse numa entrevista à revista High Fidelity que se impressionou com ele e com o Carlini durante as gravações. Que nunca pensou que brasileiros tivessem aquela qualidade para tocarem rock n roll.