terça-feira, 25 de agosto de 2009

Retomando a técnica

Calma, bateras de todo Brasil. Fico imobilizado só mais esta semana. Em breve voltaremos à nossa programação normal. Nesse meio tempo, enquanto estava eu com o braço na tipóia, fiquei encucado com o tempo que perdemos quando sofremos alguma situação destas. No meu caso, já é a terceira vez que me quebro. Na primeira fui atropelado e quebrei o braço direito (essa foi feia...), na segunda quebrei o pé direito jogando bola (e o Pércio Sápia me disse que baterista tem que jogar baralho, hahaha!). O fato é: em todas as ocasiões, fico parado e a técnica dança. E isso acontece com todos os que dão esse azar. E o que fazer?

Da primeira vez que quebrei fiquei parado mesmo. Como foi feio (até coloquei pino), o braço direito doia em qualquer situação, e deixei as baquetas de lado durante a recuperação. Quando voltei, peguei várias dicas com um grande amigo e baterista baterista, o Vlad Rocha. O mais importante que veio do Vlad foi a maior força. Valeu!

Da segunda, quando quebrei o pé direito, aconteceram duas coisas. Primeiro, durante o período em que estive parado, o Pércio Sápia me passou um exercício ótimo que ele aprendeu com Rubinho Barsotti em pessoa: os 100 pulsos. É simples! Coloque o metrônomo numa velocidade confortável pra fazer semicolcheias. Toque quatro semicolcheias por beat e vá contando de 1 a 100, primeiro com a direita, depois com a esquerda. Depois, toque com as duas mãos, mais aí serão fusas, mais 100 pulsos. No dia seguinte, aumenta um beat no metrônomo e vai de novo.

Segundo, logo que tirei o gesso do pé e cocei tudo o que precisava, outro amigo, o Manny Monteiro, me disse pra apertar bem a mola do pedal do bumbo e fazer muito a página 3 do livro "Bass Drum Control", de Colin Bailey.

Toquei com a mola tensa por mais ou menos um ano, e já estava esquecendo dela quando o Leandro Lui esteve em casa e disse que eu era louco de tocar daquele jeito, e baixei a tensão. Mas usar a tensão alta ajudou bastante! É como pedalar numa bicicleta ergométrica.

Agora aqui estou, em franca recuperação e pensando em qual exercício vou usar pra retomar a técnica. Alguém tem alguma sugestão? Claro, não é só pra mim, é pra todos os bateras que passam por essa situação. Se alguém tiver alguma dica boa, poste nos comentários.

Nenhum comentário: