segunda-feira, 30 de maio de 2011

Autoral - Zimbo Trio (2011)


Nos dias 14 e 15/5, em São Paulo, aconteceram os shows de lançamento do novo CD do Zimbo Trio, Autoral. Diferente do que acontece com a música instrumental em nossos dias, o Zimbo não aporrinha o ouvinte com improvisos intermináveis. Aliás, o pianista, compositor e arranjador Amilton Godoy gosta de solos que não passem de quatro chorus. Na minha opinião, longe de tosar a criatividade dos músicos, essa regra tácita faz os bateristas Pércio Sápia e Rubinho Barsotti, e o baixista Marinho Andreotti exercitarem a habilidade de construir solos com começo, meio e fim. Além disso, os arranjos do professor Amilton já não são coisa simples. Em "Bom dia São Paulo", música de abertura tanto do show quanto do CD (gravado ao vivo em novembro de 2010), Pércio é exigido técnica e criativamente. Em "Teus olhos", o que se exige do baterista é a sensibilidade, e ela não falta. "Divertimento" tem um groove bem diferente do que se costuma ouvir no brazilian jazz, flertando com o samba-funk, e funciona muito bem. Em "Notas que falam", Pércio coloca muito bom gosto no solo. É difícil explicar por quê o "trio" tem quatro integrantes, mas em "Teste de som" Rubinho Barsotti volta a seu lugar à bateria. Inclusive, vale observar algo bem característico: Rubinho gosta do som da caixa com a esteira desligada, por lembrar mais o som do tamborim. Ao vivo, ele também toca a clássica "Nanã", em que faz a levada da bateria batucando com os dedos. Essa não foi registrada no CD, mas Pércio a gravou recentemente para seu CD solo, em dueto com Rubinho (Ih, Pércio! Falei!). Pra terminar, Pércio volta à bateria para tocar outro clássico, "O batráquio". E nessa não há limites para os solos: todo mundo quebra tudo!

2 comentários:

Nilde Gomes disse...

Que Pérola Brasileira!!! Nossa. tô fascinada!

Nilde Gomes disse...
Este comentário foi removido pelo autor.