sábado, 30 de julho de 2011

Mingo Jacob (1961-2011)


Nascido em São Paulo, Mingo Jacob cresceu jogando bola e ouvindo batucada, passeando pelas Minas Gerais e pelos interiores do Brasil. Estudou bateria e percussão no Conservatório Souza Lima, com Miriam Cápua e com o Mestre Dinho Gonçalves, passeou por vários estilos de todo o mundo. Como todo bom percussionista, dominava vários instrumentos e vários ritmos, de raízes diversas, mas nunca abandonou suas raízes, fincadas na música do interior de São Paulo e Minas.

Fundou o Matuto Moderno, com quem compunha música de raiz mesclada com a modernidade, cheios de poesia e bom humor. O último trabalho lançado, o CD Empreitada Perigosa, trazia releituras de clássicos do sertanejo com a pegada da banda.

Além disso fez muitos outros trabalhos, incluindo os violeiros Cícero Gonçalves, João Ormond, Bilora e o poeta Costa Senna. Acompanhou Amanda Acosta, Pena Branca e as turnês brasileiras de Bob Brozman e John LaBarbera.

Era também professor, e um dos mais generosos que conheci. Escreveu o "Método Básico de Percussão Universo Rítmico", em que abrangia muitos assuntos relevantes ao percussionista e normalmente deixados de lado na formação, incluindo divisão rítmica e leitura para os mais diversos instrumentos.

É com dor na alma que informo que Mingo viajou fora do combinado* na última quinta-feira, dia 28/7, vítima de um infarto. Uma dos mais musicais, generosos e dedicados seres humanos que já conheci. O site OBaterista.com envia os pêsames à família e lembra a matéria gravada com Mingo como singela homenagem.

A foto é de Jotta Santana, tirada na última colaboração do fotógrafo com o Matuto Moderno. Obrigado, Jotta.

* Pra usar uma expressão de raiz.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Oficina de Leitura Rítmica


E aí, como anda sua leitura rítmica? "Máomeno"? Pois muito bem, vai rolar um workshop sobre o assunto no Bateras Beat de Osasco, ministrado pelo baterista Nenê dos Santos. Será dia 30/7, às 16h. O objetivo do curso é ajudar os alunos a desenvolver interpretação rítmica de forma clara e simples. As inscrições custam R$5 mais um kilo de alimento não perecível, e está incluso a apostila com exemplos e exercícios. O curso dá, inclusive, certificado. Entre em contatop e informe-se sobre vagas, e o pessoal falava da chance de ter uma segunda turma, conforme interesse. Informações: (11) 3592-3061 ou (11) 7952-0336, ou pelo e-mail osasco@baterasbeat.com.br

terça-feira, 26 de julho de 2011

Batuka! 2011 neste fim de semana

Neste fim de semana, dias 30 e 31/7, em São paulo, acontece a 13º edição do Batuka Brasil! International Drum Fest, realização do Instituto de Bateria Vera Figueiredo, que traz ao Brasil grandes músicos e mostra o melhor da bateria. Este ano a lista de convidados é grande e impressionante!





Pra começar, o festival traz Colin Bailey. Ele é bem conhecido aqui no Brasil por seu livro "Bass Drum Control" (editora Hal Leonard - estou na página 3 faz dez anos), mas sua história musical é impressionante. Nascido na Inglaterra, estudou bateria, piano e teoria musical desde muito cedo. No final dos anos 50 foi à Austrália e lá encontrou Joe Morello, o que mudou sua vida. Da Austrália, foi para os EUA tocando com o Australian Jazz Quartet, ficou por lá e tocou na cena jazzística: Vince Guaraldi, Victor Feldman, Joe Pass, chegou a substituir Tony Williams no quinteto de Milles Davies (Tony não tinha idade pra tocar na casa onde Milles ia se apresentar), fez uma extensa carreira como músico de estúdio, tendo gravado inclusive com Tom Jobim (por indicação de João Gilberto).






Da França vem Damien Schmitt, baterista de uma família de músicos. Tocou com o famoso violinista Jean Luc Ponty, que ficou muito impressionado com sua musicalidade, e vem fazendo trabalhos com Frank Gambale e Zapoa MaMa, entre outros da cena jazz fusion francesa. Inclusive, apresentou-se no grande festival Printemps de Bourges com sua própria banda.










Aquiles Priester dispensa apresentações. Fundador do Hangar, fez parte do renascimento do Angra e tem realizdao gravações e workshops pelo mundo com uma frequência espantosa, inclusive com uma grande apresentação no Drummer Live Festival em Londres, em 2006, e tem dois DVDs didáticos lançados.











Nuestros hermanos portenhos mandam Quintino Cinalli mostrar o melhor dos ritmos folclóricos argentinos adaptados para a bateria. Sons como candombe, murga, chacarera, zamba e tango são incorporados por esse instrumentista inovador, que funde suas raízes ao jazz e ao rock. Além de quatro CDs lançados, hoje ele vive entre a Universidade de Santiago (Chile), onde é professor, a Arghntina e os EUA, onde toca, grava e ministra masterclasses.









Dom Famularo é um baterista de quem é difícil escrever. Ele tem inúmeras realizações como músico, educador (um dos principais expoentes da técnica Moeller atualmente) e organizador. É um indivíduo brilhante, tanto tocando quanto ensinando, combina a habilidade técnica do passado com um hábito (!) de quebrar paradigmas.










Mais um de quebrar tudo: Robby Ameen vem ao Brasil mostrar por que é solicitado tanto por Paul Simon quanto Dizzy Gillespie, e por que toca há mais de vinte anos com Ruben Blades. Atua ativamente na cena musical de Nova York gravando e tocando ao vivo. Recentemente lançõu o livro "Funkifying the clave", junto com o baixista Lincoln Goines, e gravou com Horacio "El Negro" Hernandez o CD "El Negro & Robby Band".









O multi-instrumentista Renato Martins começou com piano e percussão ainda criança e teve uma sólida formação musical, com passagens pelo CLAM e pela Faculdade de Artes Santa Marcelina. Apesar disso, é auto-didata na maioria dos instrumentos de percussão que toca, tendo criado muitas técnicas, principalmente para o udu (vaso de barro) e para o cajon. Além da carreira de educador, ele atua na cena instrumental ao lado de André Geraissati, Ulisses Rocha, Teco Cardoso, Renato Borghetti, Edu Riobeiro, Renato Consorte, Roberto Angerosa, Nelson Faria, Mozart Mello e Celso Pixinga, entre outros.








Fabiana Fonseca e Bruna Barone são aluinas de Vera Figueiredo no IBVF e se apresentarão juntas, mostrando a pegada que muda os conceitos na noite paulista. Fabiana é baterista da banda Siri na Lata e do musical Cabaret Luxúria, e faz subs pra Vera na banda do programa Altas Horas. Bruna atua na noite paulista e ministra o curso de Finale no IBVF. Juntas, elas farão uma homenagem a Gordon Goodwin, band leader e arranjador da melhor qualidade.










E, é claro, a anfitriã não poderia deixar de se apresentar. Baterista, educadora, compositora, arranjadora, organizadora e artista internacional, Vera Figueiredo foi aquela que fez a bateria brasileira tocar em mão dupla: tanto do Brasil para o mundo, quanto do mundo para o Brasil.











Além de todas estas atrações, acontece também o tradicional Concurso de Bateristas. E este ano o vencedor leva, entre os prêmios, uma vaga na final do DOT - Drummer of Tomorrow, concurso promovido pela Mapex e que terá sua final em 2012.

O Batuka Brasil! International Drum Fest acontece em 30 e 31/7, a partir das 17h, no Auditório Ibirapuera (Av. Pedro Álvares Cabral, s/nº). Os ingressos já estão à venda e custam R$30 (inteira) e R$15 (meia).

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Instrumental nesta quinta

Nesta quinta, duas ótimas ocasiões pra assistir bom jazz em São Paulo.

O ABC Trio, formado por Alê Damasceno na bateria, Robertinho Carvalho no baixo e Ogair Júnior nos teclados, toca no Ao Vivo Music (R. Inhambú, 229), às 20:30. É fino e é cedo, vale muito ver esses caras tocando!

E o baixista Manoel Cruz apresenta seu novo álbum Under my Soul no Teta Jazz Bar (R. Cardeal Arcoverde, 1265), às 21h. E o batera que o acompanha é Ricardo Berti.

terça-feira, 12 de julho de 2011

Dia do Rock

13 de julho é o dia do rock, todo mundo lembra (lembra, né?). Pois bem, a comemoração em Santana de Parnaíba, perto de São Paulo, acontece dia 14/7 com show do guitarrista Fábio Veroneze no Cine Teatro Coronel Raymundo (R. Suzana Dias, 300, no centro histórico da cidade). Começa às 21h e a entrada é franca. Junto com Veroneze, tocam o baixista Ricardo Moreira e o baterista Appolo Moreira.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Brasileiros quebrando tudo

Ok, não dá pra todo mundo assistir shows no exterior. Às vezes temos problemas pra ver um show na cidade vizinha, imagina uma viagem maior... Mas é legal saber que há cada vez mais brasileiros quebrando barreiras e fazendo gigs legais fora do Brasil, e não só com música brasileira.

Começamos com um grande: Lauro Lellis toca com Tom Zé dia 19/7 no Lincoln Center Festival 2011, que acontece no próprio Lincoln Center, em Nova York. A gente já ouviu falar bastante do tal centro por aqui por causa da jazz orchestra deles, que é dirigida pelo trompetista Winton Marsallis. O site diz que o som do artista é "brilhantemente bizarro, criativo e intelectual (...) um iconoclasta da bossa nova, um trovador avant-garde". E a performance de Tom Zé no palco é impulsionada pela bateria brasileiríssima, pulsante e viva de Lauro Lellis. Completando a cozinha, o baixista é o também baterista (e compositor e vocalista e guitarrista e...) Renato Lellis.











Agora o rock'n'roll: o batera que vai tocar com ninguém menos que Jeff Scott Soto no Bang Your Head Festival 2011, na Europa, é Edu Cominato. Eles tocam dia 16/7 em Balingen, na Alemanha. O grupo faz outras quatro datas por lá, pra aquecer, todas em julho. Dia 9 em Kerkrade (Holanda), 10 em Osnabruck (Alemanha), 13 em Aschaffenburg (Alemanha) e dia 14 em Pratteln (Suíça). Edu já trabalha com Soto há algum tempo, inclusive tendo gravado o último DVD ao vivo do homem, e aqui no Brasil mantém vários trabalhos, inclusive a Remove Silence.

Ah, se fosse só um pouquinho mais perto...